Arquivo | 10:22 PM

Homens, cuidado: Novo Golpe na Balada!

9 set

Olá Galera!!!

Feriado inspirador (com muita gente maluca),não tinha como deixar de escrever aqui.

E antes de mais tudo, quero agradecer os inúmeros: recados, pedidos, emails, broncas e ameaças para que eu voltasse a escrever no blog. Não está abandonado não Gente, mas vocês precisam ter paciência comigo. 😉

Agradeço também aos fiéis leitores que mesmo sem novidades continuavam passando por aqui, fazendo com que chegássemos a mais de 15 mil acessos. uhuuuuuu \O/ \O/ \O/

Bom, para retomar os trabalhos, vamos contar as aventuras de uma maluca, cujos fatos só estão sendo relatados aqui após uma reconstituição com ajuda dos amigos que testemunharam os acontecimentos.

Tícia, mulher distinta, honesta, do bem, que ganha a vida com o suor do seu trabalho, após uma semana cansativa, no final de semana resolveu mergulhar fundo na balada para desestressar.

Vestiu seu traje piriguete, enquanto a Amiga buzinava no portão de sua casa, arrumou correndo sua mini-bolsa de guerra, jogando lá batom, gloss, elástico de cabelo, documento, cartão de crédito e dinheiro (mais ou menos uns 20 reais em notas de R$ 2,00 e R$ 5,00, que guardou dobradinho no cantinho da bolsa).

Chegaram no local e já começaram a beber destilados durante os 40 minutos de fila.

Já entraram meio embriagadas, tomaram juntas mais uma rodada de bebidas e aos poucos cada uma foi partindo para o seu mundinho, buscando atingir seus objetivos pessoais.

Tícia, segundo relatos, parou no balcão do bar e logo um Cavalheiro lhe ofereceu um mega copo de destilado enquanto conversava com ela bebendo sua cervejinha. Ficaram lá conversando sabe-se lá sobre o que, até que, do nada, surge um Amigo de Tícia e lhe pede sua comanda emprestada.

Tícia sem se dar conta do que está acontecendo, no modo automático, atende ao pedido do Amigo, abre sua bolsa, tira sua comanda e entrega para o Amigo.

O Cavalheiro ve indignado o Amigo usando a comanda de Tícia para pegar uma bebida para ele e para a Garota que tinha acabado de conhecer.

Tícia só se da conta da presença do Amigo, quando percebe que ele e o Cavalheiro estão discutindo com ânimos exaltados. Depois de muita concentração ouve a seguinte parte da discussão:

Amigo: “- … mas eu vou pagar a conta dela!”

Cavalheiro: “- Não! Sou eu que vou pagar a conta dela!”

Ainda sem entender muito bem o que acontecia Tícia encerra a discussão com a seguinte ordem:

“- Amigo, entrega minha comanda pra ele!”

O Amigo faz o que Tícia mandou e explica para o Cavalheiro: “- Eu só usei a comanda dela porque já tinha pago a minha.” Os dois se apertam as mãos e o Amigo some com a sua Garota e suas bebidas.

Depois de cair nos encantos do macho alfa que a salvou do Amigo que queria pagar sua conta, Tícia quis ir embora e o Cavalheiro fez questão de levá-la para casa (já que Tícia não sabia que fim tinham dado suas Amigas).

O Cavalheiro, conforme havia se comprometido, pagou a conta de Tícia, com as bebidas de antes dele, do Amigo e da Garota do Amigo. Ajudou-a a vestir o casaco, carregou a mini-bolsinha e abriu a porta do carro, seguindo todos os passos da cartilha do bom moço.

Entraram no carro e enquanto o Cavalheiro desandou a falar sem parar, Tícia só se concentrava para apontar com o dedo indicador o caminho de casa, já que àquelas alturas já não sabia mais o que era direita e esquerda.

Durante o caminho, em total monólogo o Cavalheiro começou a falar de si para Tícia, blá blá blá,  disse que pretendia casar no máximo no ano que vem e que já queria ter filhos e blá, blá, blá… Apesar de seu estado, os alarmes internos de Tícia foram acionados e ela foi ficando apavorada.

Tícia procurou sua bolsinha no carro e a viu aberta no banco de trás. Notou que todas as suas coisinhas estavam jogadas pelo carro e enquanto o Cavalheiro ainda falava: blá blá blá… Tícia foi tateando suas coisas no escuro do carro e jogando de volta para dentro da bolsa: dinheiro, batom, dinheiro, chaves, dinheiro, cartão, dinheiro, documento, dinheiro, celular.

Quando o Cavalheiro parou na frente da casa de Tícia, antes mesmo que ele tentasse pedir seu telefone, Tícia se despediu, agradeceu e saiu correndo de dentro do carro.

No outro dia, assim que acordou Tícia quis ligar para as Amigas que tinha perdido na balada para conferir se todas haviam sobrevivido.

Pegou sua bolsinha para usar o celular e ao abrir foi tirando dela muito dinheiro em notas soltas e amassadinhas de R$ 5,00 e R$ 20,00, e ali no cantinho dela, dobradinho estava o dinheiro que havia  colocado na noite anterior, antes de sair.

Lembrou do episódio do Amigo, que o Cavalheiro havia pagado sua conta, que durante o caminho falou sobre filhos e casamento, somou o dinheiro = R$ 35,00 e chegou a conclusão:

“- Putz, cobrei muito pouco!”

foto by Alex Nobre

foto by Alex Nobre

Anúncios